A família da aliança

Normalmente no mês de maio as igrejas evangélicas lembram-se das famílias. Isso é louvável. Isso porque vivemos dias em que há muita desestrutura familiar. Muitos jovens não querem nem saber de começar um família, isso por veem os péssimos exemplos dentro e fora de casa, e o que é mais assustador, muitos jovens cristãos pensam assim. Contudo, é preciso resolver esse problema, e isso só pode ser feito por meio das Escrituras. Nossa mentalidade quanto a família precisa mudar. Agora, uma pergunta surge, de onde vem a família? Como construir uma família? Quais são os critérios para escolher meu marido/esposa?             A primeira coisa que precisamos aprender é que Deus é o idealizador da família. Para muitos estudiosos secularizados, família é um construto social, elaborado para tolher nossas liberdades individuais (moral e ética judaico/cristã). Claro que como cristão preciso discordar dessa proposição, e a partir da Bíblia entender que foi Deus quem a criou.             Deus foi quem elaborou e conceituo a família, isso é evidente em Gn. 2. 18 a 25. Ali ele estabeleceu a família. E porque chamamos de Família da Aliança? Porque Deus estabelece uma aliança com o homem e consequentemente com sua família. Deus chama Adão faz uma aliança com ele e isso se estende para Eva e seus filhos, basta ver a relação e o diálogo com Eva (Gn. 3. 13) e Caim (Gn. 4. 6). Deus não apenas se relaciona com Adão, mas também com sua família. Assim, quando um indivíduo crer em Deus, as bênçãos do Senhor não apenas se reservam ao indivíduo, mas estendem para suas famílias (Rute, Raabe [Josué 2], Abraão, Jacó, Isaque, Davi; no Novo Testamento da mesma forma, veja a história do Carcereiro em Atos 16. 27 a 34).             Portanto, o conceito de Família da Aliança, vem da ideia de que Deus estabelece uma aliança com o indivíduo e isso recai também sob sua família, todos que estão debaixo daquela guarda, obtém as bênçãos reservadas e dispostas por Deus.              Agora, pensar dessa maneira abre um outro aspecto importante. A escolha do cônjuge. Como um menino ou uma menina deve escolher seu futuro cônjuge? Para um mundo caído e em rebelião, os critérios são: Beleza, dinheiro, informalidade, sensualidade e liberdade. E para cristãos que levam a vida a sério, quais são os critérios?             A primeira coisa que você deve considerar na escolha do cônjuge é se ele faz parte da família da aliança. Ou seja, se ele tem um pacto de aliança com o Deus das Escrituras. Veja se ele/ela é um adorador do Deus verdadeiro, ou seja, se ele/ela anda com Deus, assim como Enoque (Gn. 5. 24). Essa é a principal característica. Dela dependem todas as demais. É a partir dessa característica que você perceberá o coração, e as intenções que guiam o seu pretendente. Se a pessoa a quem você quer escolher como cônjuge para construir sua família não anda com Deus, aborte essa ideia imediatamente. E por que? Porque uma pessoa que não anda com Deus irá te distanciar Dele. Irá te fazer pecar contra Ele, irá te conduzir para longe dos pastos verdejantes do Senhor (Salmos 23).  Um cônjuge deve ser alguém que te aperfeiçoa, te santifica, te protege, te exorta e corrige com humildade, que te faz crescer na graça e no conhecimento. Que torna mais parecido com Cristo.             Por exemplo: O homem deve ser aquele que se parece com Jesus Cristo, ele deve deixar a sua glória (encarnação e humilhação) e no caso do homem, ele deve deixar suas vaidades para conduzir a sua noiva ao crescimento, adoração e santificação diante de Deus. Se o seu namorado não promove isso em sua vida filha, aborte esse namoro enquanto é tempo, certamente ele não anda com Deus (Gn.5.6).             A mulher deve ser aquela que é santa, sincera e justa perante Deus, porque ela é a noiva (igreja), e portanto ela deve ser respeitosa, de boa fama, honrada, sua boca deve pronunciar palavras doces como o mel, e, ela deve ser uma adoradora de Deus. Se a sua namorada não possui essas características meu jovem rapaz, certamente é porque ela não anda com Deus e sua família não será levada a andar com Deus caso vocês venham a se casar. Portanto, deixe esse namoro enquanto é tempo. E aos casados, que vocês busquem a Deus, para que as características positivas que aqui foram mencionadas sejam encontradas em suas vidas.             Deixem o Deus da aliança moldarem seus corações e fazerem de suas famílias verdadeiros altares de culto. Assim, seus filhos irão desejar ter famílias, porque encontram nos pais o modelo bíblico a ser seguido. Em Cristo, Rev. Josley Filho


Rev. Josley Filho